Vozes Insurgentes de Mulheres Negras chega à capital carioca

Depois de lançamentos na programação paralela da Flip, em Paraty e em São Paulo, publicação que apresenta textos fundamentais de mulheres negras brasileiras, tem lançamento e oficina no Rio de Janeiro com distribuição gratuita do livro para as pessoas presentes

 

Por FRL

Valorizar e visibilizar o conhecimento produzido por mulheres negras brasileiras, de forma a compreender diversas perspectivas de nossa sociedade e nossa história. Este é o principal objetivo da publicação Vozes Insurgentes de Mulheres Negras – do século XVIII  à primeira década do século XXI, iniciativa da Fundação Rosa Luxemburgo, em parceria com a Editora Mazza. O livro, organizado pela jornalista e pesquisadora Bianca Santana, será lançado em São Paulo em 24 de julho, a véspera do Dia Internacional da Mulher Afro Latino Americana e Caribenha.

“Retomar estes textos históricos também coloca a possibilidade de compreender características próprias da diáspora africana no Brasil, ampliando um referencial que não se limita às conhecidas autoras norte-americanas. Além disso, dá a oportunidade, a pensadoras e pensadores negros e não-negros, de rever a formação do pensamento brasileiro a partir de mais perspectivas, buscando reparar, ainda que parcialmente, os apagamentos de intelectuais brilhantes”, destaca Bianca.

Apesar do silenciamento histórico imposto primeiro pela escravidão, e posteriormente pelo racismo, o sexismo e a desigualdade de classe, pensadoras negras têm, cada vez mais, rompido esse muro e conquistado espaço. A circulação deste conhecimento tem crescido nos últimos anos, mas ainda há muito desconhecimento das palavras publicadas por essas mulheres antes do tempo atual.

Neste sentido, o livro é uma importante contribuição. Ao reunir em um único volume estas vozes, concretiza a capacidade das mulheres negras em  formular pensamentos e críticas. “Ler estas mulheres é uma oportunidade de adensar raízes para que a luta das mulheres e o atual feminismo negro brasileiro se expandam com consistência a permanência”, complementa a organizadora da publicação.

Antes da Roda de Conversa, a organizadora da publicação, Bianca Santana, irá conduzir uma oficina de escrita autobiográfica para mulheres negras. A atividade é gratuita, mas mediante inscrição.

O livros serão distribuídos gratuitamente para as pessoas que participarem das duas atividades.

Participam do debate:

Bianca Santana –  escritora, jornalista e pesquisadora. No doutorado em ciência da informação, na Universidade de São Paulo, pesquisa memória e escrita de mulheres negras.  Colunista da revista Cult e facilitadora de oficinas de escrita. Está escrevendo a biografia de Sueli Carneiro.

Anielle Franco – mestra em Jornalismo e inglês pela Universidade de Carolina do Norte nos Estados Unidos, graduada em letras pela UERJ. Hoje atua como professora, escritora, palestrante e é a atual diretora do Instituto Marielle Franco.

Carol Rocha – professora, pesquisadora e escritora. Mestre em história pela Universidade Federal Fluminense. Doutoranda em Sociologia no Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, estudando conflitos religiosos da atualidade.  Idealizadora do projeto Oficina de Escrita para Mulheres que trabalha com escrita de si, literatura e autocuidado.

SERVIÇO

Lançamento Vozes Insurgentes de Mulheres Negras – do século XVIII à primeira década do século XXI

Oficina de escrita autobiográfica para mulheres negras – Com Bianca Santana
15/08/2019 – das 15h às 18h
* Atividade gratuita (30 vagas – inscrições aqui)
Casa das Pretas –  Rua dos Inválidos, 122 – Lapa – RJ

Roda de Conversa
Com Bianca Santana, Anielle Franco e Carol Rocha
15/08/2019 – das 19h às 21h
Local: Casa das Pretas – Rua dos Inválidos, 122 – Lapa – RJ


  • Ponto de Debate 19: Um estado que mata pretos, pobres…

  • A primeira infância como responsabilidade de toda a sociedade

  • Diálogos antirrascistas: bell hooks e o Brasil
  • Input your search keywords and press Enter.